quinta-feira, 14 de junho de 2018

PUBLICAÇÃO DIÁRIO DA MANHÃ 13/2018/CIRANDA



                                                                   CIRANDA

O que dizer?

Deste mundo louco
Da violência diária,
Da expansão do terrorismo
Das mortes inúteis
Da desvalorização da vida humana?
Da falta de consciência frente
À vida
À natureza degradada,      
A infância abandonada,
A educação deteriorada.
                                            Eu digo: Basta!

Isabel C S Vargas


Publicado no Diário da Manhã/Pelotas/RS
Data:2018/06/11/Segunda-Feira/Página 15

TEXTO 50/2018/ PEQUENAS INDULGÊNCIAS/ CENTOPÉIA LITERÁRIA

Se demora! É preciso a ventura de ter netos para saber o quão doce pode ser envelhecer com o tempero açucarado de beijos babados,sorrisos desdentados,abraços apertados tão suaves como as nuvens do céu que levam nosso agradecimento por estar viva, aos ouvidos do criador agradecendo o infinito sentimento de eternidade que se desprende de nosso coração enternecido.


Movidos pelas necessidades urgentes,pelos anseios da juventude,passamos boa parte da vida gastando o tempo sem a consciência da preciosidade que é degusta-lo como se faz com o alimento, sorvendo cada minuto como se fosse o ultimo,saboreando a companhia dos afetos mais valiosos,dos companheiros de viagem,sabendo que a vida nos proporciona altos e baixos como se viver fosse surfar nas ondas do oceano que ,sabiamente,nos ensina a viver ora em alta,ora em baixa,para aprendermos a crescer e superar as dificuldades,em um processo de autoconhecimento que nos torna seres humanos melhores, mais evoluídos e resilientes, não lamentando a passagem do tempo,porque ele não se extingue neste plano. Tenho fé que assim seja.


Sonhos, desejos, ambições movem os indivíduos ao longo da vida.Isso tudo em busca da felicidade, desejo maior do ser humano. No percurso encontra alegria, tristeza, sucesso, insucesso, lágrimas, riso, posto que tudo faz parte e tudo é vida. Ao final o que vale é a paz de espírito, a consciência tranquila, o aprendizado amealhado, a obra plantada, os frutos colhidos que são os bens mais preciosos . Como fruto colhido, o amor, o reconhecimento da família, dos amigos, todos que nos acompanharam no desenrolar jornada terrena, determinante da jornada espiritual.

TEXTO 49/2018/CIRANDA/SEM MAIS TEMPO

SEM MAIS TEMPO

Para ciúmes  infantis ,
discussões  tolas e pueris,
insegurança e fragilidade
que abalam nossa convivência ,
quero  fortalecer nosso amor.

Confiança  em primeiro lugar,
Troca espontânea e sincera,
Carinho,respeito e admiração 
Serão  a tônica de nossa relação. 

Porque estamos sem mais tempo 
a perder de nossas vidas 
com sentimentos destrutivos,mesquinhos.
Que o amor prevaleça  sobre tudo.

Isabel C S Vargas
13.06.2018

TEXTO 48/2018/ CIRANDA/CALO

CALO

Quando vejo que o embate 
É  perda de tempo e não 
produzirá  resultados  positivos;

Calo diante  da beleza fulgurante
que  não  necessita  de palavras;

Calo diante da verdade que prescinde
de qualquer complemento. 

Calo quando  nada posso  acrescentar
para diminuir o sofrimento  do outro.

Calo diante do silêncio  sepulcral
quando  não  há  mais nada a fazer.

E as palavras  são  inúteis. 

Isabel C S Vargas
12.06.2018

sexta-feira, 8 de junho de 2018

MEU TEXTO EM CONTOS DE AMOR E ÒDIO


Isabel Cristina Silva Vargas 
Pelotas / RS


Espiral


         
Tento entender meu destino. O silêncio me perturba. Sou prisioneiro das minhas escolhas ou do que foi a mim destinado? Sinto-me imóvel como uma árvore, sempre no mesmo lugar, sem perspectiva de mudança. As árvores acolhem, dão proteção, mas eu me sinto podado, sem conseguir proteger ninguém e também sem poder acolher. Podaram-me os galhos, não consigo abraçar...  Sinto-me impotente, solitário, atingido, sem força, sem poder de recuperação. Será que me autoflagelei? Serei vegetal em extinção? Suspiro. Levanto a cabeça, tento ser forte, mas sinto-me um espantalho, caricatura de gente, arremedo de vida. Marco território, espanto invasores, sem possibilidade de interação. Sem alma! Expulso, assusto, simulo vida, mas não vivo. Cumpro uma função dada por quem? Quem impõe clausura, dependência, flagelação? Que pecados quero expiar? Cada vez fecho mais janelas para fugir da luz do dia. Porque aprofundo-me no labirinto? Porque não disparo, arranco portas, arrebento fechaduras, desvendo mistérios, enfrento medos e me dou a chance de descobrir quem sou, sem que para isso tenha que me olhar no espelho buscando respostas cujas perguntas  sequer sei formular?

MEU TEXTO EM VERSOS MÁGICOS DE POETAS ENCANTADOS


Isabel Cristina Silva Vargas 
Pelotas / RS


Gesto para a PAZ

Milhões de seres vivem separados
embora sejam irmãos de alma.
Cresceram juntos, pensaram semelhanças
Construíram sonhos, planejaram futuro.

Poderia ser uma só pátria
uma única nação,uma grande família.
Desavenças, desinteresse – sim - os
desagregaram,
por anos à fora até quase perder a esperança.

Medo de esquecer a fisionomia do irmão,
a voz da mãe,o sorriso amigo.
Medo do futuro competitivo,
Medo do aniquilamento físico e emocional.

Mas, um dia a esperança ressurge.
De um simples aperto de mão.
Um olhar nos olhos, uma trégua.
Um raio de luz desponta.

Sejamos otimistas, aplaudamos o gesto.
Convoquemos todos à pausa.
Vamos conversar e restabelecer o diálogo.
Vamos promover a sonhada PAZ.

MEU TEXTO EM ANTOLOGIA DE POETAS BRASILEIROS 162


Isabel Cristina Silva Vargas 
Pelotas / RS


As flores em minha vida

Quando te conheci
Oferecias com amor
Minúsculas rosas
Plantadas em tua casa.


Depois que estávamos casados,
Com devoção, me ofertavas,
Toda semana, uma singela rosa.
Cada semana de uma tonalidade.

Com o tempo passaste a plantar flores
Em nosso pequeno jardim na praia.
Já decorram cinco anos de tua partida
E continuo colhendo tuas flores.

Flores arrancadas são belas,
Mas, são efêmeras como a vida.
Flores semeadas na terra
Representam o amor duradouro.